Página Inicial | TERÇA-FEIRA, 27 DE JUNHO DE 2017
Postada por: Jr Lopes dia 14/04/2017
Junior Mochi quer ações contra tuberculose em presídios de MS
Compartilhar Notícia
Mochi propôs o Dia “D” de Combate a Tuberculose no âmbito do Sistema Penitenciário de MS (Foto: Victor Chileno/ALMS)


A tuberculose está entre as doenças infecciosas que mais mata no Brasil. O cenário é ainda mais grave quando se trata dos presídios, pois a doença se dissemina diante das condições precárias de higiene, de ventilação e de iluminação solar nas celas. Preocupado com a situação de risco para o adoecimento de detentos e as condições favoráveis à infecção, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Junior Mochi (PMDB), apresentou nesta quarta-feira (14/04), Projeto de Lei que institui o Dia “D” de Combate a Tuberculose no âmbito do Sistema Penitenciário de Mato Grosso do Sul.

 

Anualmente, no dia 25 de março, serão intensificadas as ações para detecção precoce dos casos. Gestores e profissionais de saúde realizarão triagens, teste molecular rápido e tratamento mais ativo da forma latente da doença. A comunidade deverá receber informações sobre prevenção e tratamento adequado. “Recebemos uma equipe que cuida da saúde nos presídios e o índice de pessoas infectadas pela tuberculose é alto. Portanto, o projeto visa despertar as autoridades diante da gravidade do problema e, a partir daí, oferecer ações preventivas para reduzir esse número alarmante”, diz Mochi.

 

A superlotação é o fator determinante para os altos casos de tuberculose nos presídios. No Brasil, a cada ano são notificadas aproximadamente 70 mil ocorrências da doença e 4,5 pessoas morrem em decorrência da enfermidade. A Organização Mundial da Saúde (OMS) preconiza que esforços conjuntos devem ser somados para se alcançar a meta de eliminação da tuberculose até o ano de 2035.

 

Um grupo de pesquisa, liderado pelo professor Henrique Rosa Croda, evidenciou que em Mato Grosso do Sul a taxa de tuberculose latente em pessoas que estavam no primeiro mês de aprisionamento, sendo 7,9% para homens e 8,3% para mulheres. Após um ano de encarceramento, constatou que 26% dos indivíduos que não tinham tuberculose latente e foram presos adquiriram a doença dentro das prisões. A pesquisa indicou uma elevada força de infecção nos ambientes prisionais.

 

Os pesquisadores detectaram ainda que 54% da bactéria do gênero Mycobacteirum Tuberculosis identificados na zona urbana de Dourados estavam relacionados com os casos identificados no presídio estadual do município. “Os dados revelam a necessidade de intensificar o controle a fim de diminuir a tuberculose nas prisões, para então reduzir efetivamente a carga da doença na comunidade”, destacou o presidente.


Fonte: Agência ALMS







Naviraí Diário | Todos os Direitos Reservados