Página Inicial | QUINTA-FEIRA, 13 DE DEZEMBRO DE 2018
Postada por: Jr Lopes dia 05/03/2018
Árbitros e assistentes não querem mais atuar em jogos do Fortaleza no Cearense
Compartilhar Notícia

Mais uma polêmica no futebol cearense. Árbitros e assistentes decidiram, em assembleia, que não querem mais atuar em jogos que envolvam a equipe do Fortaleza até o final do Campeonato Cearense. O motivo foram as reclamações de dirigentes do clube que, segundo o Sindicato dos Árbitros de Futebol do Estado do Ceará (Sindarf-CE), fere a idoneidade da categoria. Diante da decisão, o entidade encaminhou ofícios à Federação Cearense de Futebol (FCF) e ao Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol do Estado do Ceará (TJDF-CE).

 

Nesta semana, a diretoria do Fortaleza pediu árbitro de fora do Estado à FCF e fez duras críticas à arbitragem cearense, endossadas pelo técnico do time, Rogério Ceni, inclusive, em entrevista coletiva.

 

- A nossa atitude não é em função de o Fortaleza ter pedido árbitro de fora. O que a categoria não aceitou foram as declarações dos dirigentes do Fortaleza, de que nós somos parciais contra o time, de não temos bom nível - explicou o presidente do Sindarf-CE, João Lucas.

 

A principal reclamação se deu por conta do que dirigentes tricolores falaram sobre a arbitragem na partida contra o Ceará, na 1ª fase do estadual. O presidente do clube, em contato com a Rádio Verdes Mares, neste domingo (4), reforçou o tom crítico.

 

- Os erros são recorrentes contra o Fortaleza. Quando erra a favor é uma raridade. É não marcar pênalti, expulsão errada... A gente vem observando jogo a jogo. E culminou com o Clássico em que todos os erros foram contra o Fortaleza. A gente não pode ficar calado.

 

João Lucas até argumenta que a categoria está disposta a argumentar, mas admite que a ideia é não apitar nenhuma partida do Leão do Pici até o fim do estadual, mesmo quando o mandante não for o Tricolor.

 

- A categoria procurou o Sindicato. E o Sindicato externou à Federação e ao Tribunal (TJDF-CE) para proteger a idoneidade da categoria. Isso é uma questão de foro trabalhista. Porque o árbitro é um profissional autônomo. A gente não fica à vontade para prestar serviço a uma pessoa que insinua que somos desonestos. No caso de um jogo como o próximo em que o Uniclinic é o mandante, o time não pediu árbitro de fora. Aí, é uma situação que a Federação terá que decidir como fazer - finalizou.

 

Sobre a decisão dos árbitros, Marcelo Paz não quis polemizar.

 

- É uma opinião, uma decisão do Sindarf, e o Fortaleza tá aqui para acompanhar o fluxo.

 

O Fortaleza volta a enfrentar o Ceará, neste domingo (4), a partir das 19 horas, na Arena Castelão, pela 2ª fase do Campeonato Cearense. Quem apita o jogo é o baiano Jailson Macêdo de Freitas.


Fonte: Globo Esporte







Naviraí Diário | Todos os Direitos Reservados