Página Inicial | TERÇA-FEIRA, 22 DE SETEMBRO DE 2020
Postada por: Jr Lopes dia 24/08/2020
Justiça do Paraguai decide nesta segunda sobre libertação de R10 e Assis
Compartilhar Notícia
Ronaldinho tem recebido visitas e presentes durante período no Paraguai (Foto: Divulgação)


Presos desde o dia 6 de março em Assunção, Ronaldinho Gaúcho e seu irmão, Roberto Assis, vão saber na tarde desta segunda-feira (24/08) se estarão finalmente autorizados a deixar o Paraguai e retornar ao Brasil. Uma audiência judicial marcada para às 15h de Brasília (14h de Assunção) deve resultar na libertação dos brasileiros, acusados de entrar no país vizinho usando passaportes falsos.

 

O caminho foi aberto duas semanas atrás, quando o Ministério Público do Paraguai concluiu as investigações e decidiu não apresentar nenhuma nova denúncia contra Ronaldinho e Assis. Os promotores também ofereceram aos brasileiros a suspensão condicional do processo, mediante o pagamento de multas – US$ 110 mil no caso Roberto de Assis e US$ 90 mil no caso de Ronaldinho.

 

Além do pagamento da multa, os dois terão que comparecer a cada três meses com uma autoridade brasileira, para acompanhamento do processo. No caso de Ronaldinho, isso dura um ano. No de Assis, dois anos. A defesa dos brasileiros aceitou as condições sugeridas pelo MP do Paraguai – por isso todos os lados envolvidos no caso acreditam que a aventura de Ronaldinho no Paraguai termina agora.

 

Ronaldinho e Assis foram presos no dia 6 de março, acusados de terem ingressado no Paraguai portando documentos adulterados. Os dois admitiram esse crime, que tem como pena o pagamento de multa. Mas o Ministério Público pediu – e a Justiça concedeu – uma prisão preventiva, que no país vizinho pode durar até seis meses, para que outros possíveis crimes fossem investigados.

 

Após cinco meses de investigações, que incluíram perícias nos celulares dos irmãos Assis e de outras pessoas, nada foi encontrado contra os brasileiros.

 

Os passaportes falsos foram entregues ao ex-jogador e seu irmão no aeroporto de Assunção no dia 4 de março, quando eles desembarcaram de um voo que havia partido de São Paulo. Os documentos foram dados a eles pelo empresário Wilmondes Souza Lira, que também está preso no Paraguai. Lira era o intermediário entre os irmãos Assis e a empresária Dalia Lopez, que havia convidado Ronaldinho e Assis para irem até Assunção participarem de ações sociais de uma suposta ONG. Dalia Lopez está foragida desde o dia 7 de março.

 

O "caso Ronaldinho" detonou uma investigação que resultou na prisão de cerca diversos agentes públicos paraguaios, envolvidos num esquema de falsificação de documentos e evasão de divisas.

 

Após um mês presos na Agrupación Especializada, um quartel da Polícia Nacional do Paraguai transformada em prisão de segurança máxima, Ronaldinho e Assis conseguiram a mudança de regime e passaram para prisão domiciliar, que eles cumprem desde então num hotel de Assunção. Na ocasião, eles aceitaram também pagar uma fiança de US$ 1,6 milhão – é desse valor que agora serão descontados os US$ 200 mil de multa a serem pagos por Ronaldinho e Assis. Ou seja: o Estado paraguaio vai devolver a eles US$ 1,4 milhão.

 

Nesse período, Ronaldinho completou 40 anos (21 de março) e passou o dia das mães longe de Dona Miguelina e o dia dos pais longe de João, seu único filho. Durante o período em que esteve na Agrupación Especializada, Ronaldinho jogou futebol e futevôlei, recebeu mimos e visitas de ídolos e jogadores da ativa no futebol paraguaio, como Gamarra.

 

O estafe do jogador ainda não decidiu quando (nem como) voltará ao Brasil após o resultado da audiência. Eles preferem esperar o desfecho do caso.


Fonte: Globo Esporte







Naviraí Diário | Todos os Direitos Reservados