Página Inicial | QUINTA-FEIRA, 21 DE MARÇO DE 2019
Postada por: Jr Lopes dia 02/01/2019
Longen destaca papel de Tereza Cristina na defesa da agroindústria de MS
Compartilhar Notícia
Deputada federal Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias assume o Ministério da Agricultura, Pecuária, Pesca e Desenvolvimento Agrário (Foto: Agência Brasil)


Ao comentar nesta quarta-feira (02/01) a posse da deputada federal Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias (DEM/MS) à frente do Ministério da Agricultura, Pecuária, Pesca e Desenvolvimento Agrário, o presidente da Fiems, Sérgio Longen, destaca o papel dela à frente da defesa da agroindústria estadual. “O agronegócio de Mato Grosso do Sul é forte e a ministra Tereza Cristina já demostrou, enquanto secretária estadual e deputada federal, ter capacidade operacional na defesa do setor”, pontuou.

 

Ele acredita que a ministra poderá ajudar, em muito, a agroindústria sul-mato-grossense com projetos de interesse de toda a cadeia produtiva. “Mato Grosso do Sul já é líder mundial na produção de celulose, mas há outros segmentos do setor com projetos voltados para o benefício da nossa agroindústria que precisam do aval do Governo Federal e com ela agora no comando do Ministério da Agricultura, Pecuária, Pesca e Desenvolvimento Agrário será uma grande interlocutora nossa junto à União nessa área da produção”, projetou.

 

Sérgio Longen reforça que Tereza Cristina dará muitas alegrias para toda a cadeia produtiva de Mato Grosso do Sul à frente desse novo desafio na sua carreira política. “Nós, empresários da agroindústria, estamos muito satisfeitos tendo a Tereza Cristina como ministra, pois ela vai trazer, com toda a certeza, resultados satisfatórios para o Estado”, previu.

 

Posse

Ao realizar a cerimônia de posse de seu ministério, Tereza Cristina disse que a Defesa Agropecuária, secretaria assumida por José Guilherme Tollstadius Leal, será um dos focos de sua gestão para evitar danos como os ocorridos na esteira da “Operação Carne Fraca”. Ela iniciou o discurso agradecendo a nova função e parabenizando colegas que assumiram outros ministérios, como Luiz Mandetta (DEM-MS), novo ministro da Saúde.

 

“Temos obrigação de fazer um grande ministério e entregar aos produtores rurais aquilo que eles esperam deste novo governo”, disse a ministra, afirmando que o ex-ministro Blairo Maggi deixou um legado e que sua missão será “fazer mais e melhor”. Sobre as fusões que ocorreram com a reforma ministerial promovida por Bolsonaro, Cristina disse que foi possível “abrigar no mesmo teto áreas afins que já estiveram separadas”.

 

O novo Ministério da Agricultura terá mais atribuições e vai absorver unidades que estavam abrigadas nos ministérios do Meio Ambiente e do Desenvolvimento Social, na Secretaria Especial de Agricultura Familiar e Desenvolvimento Rural, da Casa Civil, e na Secretaria de Mobilidade Social e Cooperativismo da própria Agricultura. “Comemoramos a volta da agricultura familiar, somos convictos que a agricultura empresarial e familiar são o mesmo negócio”, disse. 

 

Sobre a pasta Secretaria Especial de Assuntos Fundiários, a ser comandada por Naban Garcia, a ministra afirmou que será um desafio realizar a titulação das terras familiares, “hoje utilizadas de forma precária”. “Naban, esse será seu desafio”, completou. “O setor agropecuário apoiou em peso a candidatura de Bolsonaro e é natural que haja grande expectativa de inovação no setor, nosso setor é grande e gerador de empregos”, afirmou, mandando um recado para o Banco do Brasil, pedindo crédito e seguro rurais disponíveis, de maneira farta e ágil para os produtores.


Fonte: Fiems/DICOM







Naviraí Diário | Todos os Direitos Reservados