Página Inicial | SEXTA-FEIRA, 25 DE MAIO DE 2018
Postada por: Jr Lopes dia 27/04/2018
Avião interceptado em MS levava 500 quilos de pasta base de cocaína
Compartilhar Notícia
Droga apreendida com avião interceptado pela FAB (Foto: Divulgação/FAB)


Avião bimotor interceptado pela Força Aérea Brasileira (FAB) na manhã de quarta-feira (25/04), ao norte de Corumbá-MS, transportava 500 quilos de pasta base de cocaína despachada da Bolívia. Após a execução do tiro de detenção, a aeronave, que não tinha plano de voo, fez pouso forçado em um lago localizado na área do Parque Nacional do Pantanal do Mato Grosso, quando então foi feita a apreensão da carga pela Polícia Federal.

 

Segundo a assessoria de imprensa da FAB, três aeronaves A-29 e um avião-radar E-99 participaram da interceptação que seguiu todas as medidas de policiamento do espaço aéreo, incluindo o tiro de aviso, até chegar na última medida prevista, que é o tiro de detenção. 

 

A FAB também participou da ação com o envio de um helicóptero H-60 Black Hawk e de militares especializados em busca e salvamento. A ação faz parte da Operação Ostium, que visa coibir crimes transfronteiriços, na qual também participam a Polícia Federal e outros órgãos de segurança pública.

 

O FLAGRANTE

As aeronaves de defesa aérea A-29 Super Tucano da FAB e o avião radar E-99 foram empregados para monitorar e interceptar o avião. O piloto de defesa aérea seguiu o protocolo das medidas de policiamento do espaço aéreo brasileiro, conforme estabelece a Lei 7565/1986, interrogando o piloto do bimotor, mas não obteve resposta. Nesse momento, a aeronave foi classificada como suspeita.

 

Na sequência, o piloto da FAB ordenou a mudança de rota e o pouso obrigatório no aeródromo de Cuiabá (MT), porém o piloto do avião interceptado não obedeceu. Foi necessário que a defesa aérea comandasse o tiro de aviso, informando que o avião interceptado pousasse no aeródromo mais próximo. Ainda sem retorno, foi disparado o tiro de detenção.

 

Todas as ações da FAB na fronteira também seguem o que é previsto no decreto 8.903, de 16 de novembro de 2016, que instituiu o Programa de Proteção Integrada de Fronteiras (PPIF) e prevê a atuação integrada e coordenada dos órgãos de segurança pública, dos órgãos de inteligência, da Secretaria da Receita Federal do Brasil do Ministério da Fazenda e do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas contra ilícitos transfronteiriços.


Fonte: Correio do Estado







Naviraí Diário | Todos os Direitos Reservados