Página Inicial | DOMINGO, 09 DE AGOSTO DE 2020
Postada por: Andrey Vieira dia 28/01/2010
Promotoria quer exame de sanidade mental para Zina
Compartilhar Notícia
Humorista Zina deixa a delegacia e é transferido para um Centro de Detenção Provisória, na segunda-feira (18) (Foto: Euclides Oltramari Jr/Futura Press)


O Ministério Público de São Paulo quer saber se o comediante Marcos da Silva Herédia, o Zina do “Pânico na TV”, da Rede TV!, sofre de alguma doença mental. O humorista foi preso, no dia 16 deste mês, por porte ilegal de arma. Na casa de Zina, no Jardim Panamericano, Zona Norte de São Paulo, policiais encontraram um revólver calibre 38 com numeração raspada.


No dia 22, promotores ofereceram denúncia contra o humorista por porte ilegal de arma. A defesa do comediante teve pedido de liberdade negado pela Justiça. Os advogados recorreram. Procurada, a assessoria de imprensa da Rede TV!, que forneceu os advogados a Zina, limitou-se a dizer que “dá suporte e acompanhamento jurídico” ao acusado.


O exame de sanidade mental solicitado pelo Ministério Público definirá qual o destino de Zina caso seja condenado. Se o laudo apontar algum tipo de doença mental, o humorista será encaminhado para tratamento. Caso contrário, ele será encaminhado a uma prisão comum.


Em nota, a promotoria afirma que a família do acusado ressalta desde o início do inquérito policial que o homem sofre problemas psiquiátricos. Apesar disso, ele está detido no Centro de Detenção Provisória (CDP) da Vila Independência, segundo informações da Secretaria da Segurança Pública (SSP).


Posse de droga
Em menos de quatro meses, esta é a segunda vez que o comediante é detido. No final de outubro de 2009, Zina foi detido por suspeita de porte de droga. Na época, a Polícia Militar informou que o humorista estava com um invólucro de plástico contendo pó branco semelhante a cocaína e que teria resistido à prisão.


O Instituto de Criminalística (IC) confirmou que a substância era cocaína, mas Zina foi solto após assinar um termo circunstanciado, documento usado em ocorrências de menor potencial ofensivo. Ele foi qualificado como usuário de drogas e responderia em liberdade. Na época, os advogados da Rede TV! não falaram com a imprensa.


Fonte: G1







Naviraí Diário | Todos os Direitos Reservados