Página Inicial | SEXTA-FEIRA, 05 DE JUNHO DE 2020
Postada por: João Guizolfi dia 17/04/2015
Protesto contra medalha a deputado polêmico ganha força na Capital
Compartilhar Notícia
Representantes se reuniram com a PM para protocolar pedido de cancelamento de homenagem.


Movimentos ligados a defesa dos direitos humanos, sociedade civil e representantes da classe LGBT's (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros) “engrossaram” o pedido de cancelamento da homenagem ao deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ), que no dia 22 de abril deve ser agraciado com a Medalha Tiradentes.


Na tarde desta quinta-feira (16) um grupo formado por cerca de 40 pessoas esteve na sede do Comando da Policia Militar de Mato Grosso para protocolar uma moção de repúdio e pedir que a homenagem seja revogada.


O presidente da comissão de Direitos Humanos da OAB/MS (Ordem dos Advogados, Joatan Loureiro, classifica Bolsonaro como “antidemocrata”, pontuando que ele é um dos principais defensores da Ditadura, além de já ter sido condenado no Rio de Janeiro.

O presidente da Comissão da Diversidade da OAB/MS, Júlio Valcania, diz que Bolsonaro é uma figura que representa o total desrespeito aos direitos humanos.


“ O Bolsonaro é um ser que abomina qualquer diferença. Defende coisas absurdas, tem um discurso preconceituoso e é contrário as politicas sociais e é a favor até do estupro”, disse.


Júlio cita episódio ocorrido em dezembro do ano passado, quando Bolsonaro afirmou que só não “estupraria” a deputada Maria do Rosário (PT-RS), ex-ministra dos Direitos Humanos, porque ela “não merecia”. Na ocasião ele rebateu um discurso da parlamentar que defendia a Comissão da Verdade e investigações sobre os crimes cometidos pela Ditadura Militar.


A representante do Conselho Estadual dos Direitos da Mulher Creuza Pedrosa acredita que a homenagem representa um retrocesso e envergonha os militares do Estado.


“Tem outras pessoas valorosas que deveriam receber essa homenagem e não uma pessoa como essa que emana ódio”, disse.


O presidente da rede Apolo (Rede de Homens Gays e Bissexuais de Mato Grosso do Sul), Davi Andrade, acredita que o Governo do Estado deveria ter repensado a homenagem.


“Como podemos acreditar em um governo que bate de frente com os anseios da população. E essa homenagem representa isso, porque se eles estão dando essa honraria a ele (Bolsonaro) é porque pactuam com seus pensamentos”, comentou.


O grupo protocolou na segunda-feira (13), na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, uma moção de repúdio à condecoração de Bolsonaro.


Após ouvir as colocações, o Subcomandante da PM, Coronel Jorge Edgar Judice Teixeira, explicou que às indicações são feitas pelo comandante, chefes e diretores e uma comissão faz a apreciação do mérito e após votação é definido se a homenagem será deferida ou não.


Conforme o coronel, a homenagem para o deputado Bolsonaro foi aprovada em razão do seu trabalho legislativo. Judice citou como exemplo algumas proposições de autoria do deputado, entre elas, a que prevê rigor na punição de criminosos que atentem contra a vida de policiais e seus familiares e melhores condições de treinamento para os policiais.


De acordo com o coronel, a honraria já recebeu aval do governador Reinaldo Azambuja (PSDB) e a PM não tem autonomia para revogá-la, portanto, apesar da “pressão” feita pelos movimentos representativos, a homenagem não deverá ser cancela.


O advogado Joatan Loureiro afirmou que eles tentarão recorrer de outras formas e um protesto já está sendo organizado para o dia 22.


Fonte: Campo Grande News







Naviraí Diário | Todos os Direitos Reservados