Página Inicial | TERÇA-FEIRA, 20 DE ABRIL DE 2021
Postada por: João Guizolfi dia 06/12/2014
Ministério da Justiça diz não haver previsão de reforço em efetivo da Força Nacional
Compartilhar Notícia
Avaliado como "insuficiente", efetivo da Força Nacional para atender aldeias do Sul do Estado não deve aumentar (Foto: Adalberto Domingos)


Na última reportagem da série que expõe a insuficiência no trabalho da Força Nacional nas aldeias Jaguapiru, Bororó e Tey’ Kue, na região Sul do Estado – conforme acusado por lideranças indígenas e admitido pelos próprios policiais – o Dourados News destaca hoje as justificativas do Ministério da Justiça a respeito.


A pasta do governo federal é a quem a Força está subordinada. A tropa de atuação especial está presente nas principais aldeias da região Sul do Estado desde outubro de 2011, primeiro para cooperar com ações da Polícia Federal e depois por determinação da 2ª Vara Cível de Dourados, para garantia da integridade e direitos da comunidade indígena.


A principal crítica ao trabalho da Força Nacional nas aldeias de Dourados e Caarapó é relacionada ao efetivo apontado como “insuficiente” por lideranças e também pelos próprios policiais que hoje atuam no Estado, ambos ouvidos pelo Dourados News. No total, oito militares divididos em duas viaturas se revezam no cuidado a uma população de pelo menos 20 mil indígenas nas três aldeias cuja segurança está sob responsabilidade da Força Nacional.


Ministério respondeu, mas não esclareceu


A informação obtida pelo Dourados News não foi esclarecida pelo Ministério da Justiça, que respondeu por meio de nota oficial enviada pela assessoria de comunicação alegando que “não divulga durante a operação dados sobre efetivo, escalas ou deslocamento das equipes, por questões de segurança e inteligência”.


Ainda na nota, o Ministério não se posiciona sobre as acusações de um efetivo insuficiente à demanda das três aldeias e também não aponta se está prevista a vinda de mais policiais para auxiliar os que aqui estão. “É incomum anteciparmos este tipo de informação”.


Questionado ainda sobre como avalia o trabalho de mais de três anos da Força em Mato Grosso do Sul e também as críticas relacionadas a essa atuação, a nota da assessoria do Ministério foi evasiva, admitindo não ter informações detalhadas a respeito.


“Toda e reclamação que chega sobre a Força, em qualquer operação no país, é analisada e investigada imediatamente. A avaliação é feita diariamente e quando se verifica necessidade de ajuste ele é feito. Não dispomos dessas informações”, finaliza a nota encaminhada ao Dourados News.


Fonte: Dourados News







Naviraí Diário | Todos os Direitos Reservados